What's Up

Tudo que acontece no CCBEU

04

Abr

2007

TTC - Inglês na Rede Pública.

Postado por

Tags:

Comentários: ( 0 )



Confirmando seu importante papel como Centro Binacional, o CCBEU renovou a parceria com a Embaixada dos Estados Unidos e a Diretoria Regional de Ensino e iniciou a turma 2007 do TTC - Inglês na Rede Pública, na foto com a professora Eliane.

Este curso é oferecido gratuitamente desde 2002, para professores de inglês do ensino Fundamental e Médio da rede estadual, com o objetivo de reciclar metodologias e práticas pedagógicas que contribuam para incrementar a qualidade de ensino de inglês para alunos da rede pública.

Atendendo a um acordo de cooperação entre os governos do Brasil e Estados Unidos, o curso é reconhecido pela Secretaria Estadual de Educação.

Link para esta postagem

03

Abr

2007

Happy Easter!

Postado por

Tags:

Comentários: ( 0 )



A comemoração dos alunos do Kids foi uma festa de muita alegria e diversão.
A moçada fez brigadeiro, pintou ovos, ganhou ovo de chocolate das Easter Bunnies Karen e Bia. Teve até festa de confete...
Veja aqui a galeria completa com as fotos!
Link para esta postagem

14

Mar

2007

JUNIOR 1 EM PROJETO DE VIVÊNCIA DE LEITURA

Postado por

Tags:

Comentários: ( 0 )



O CCBEU Kids, curso especial para crianças a partir dos 5 anos, tem aulas práticas e dinâmicas, com atividades divertidas que ensinam e motivam, para que a criança aprenda com muito prazer.
Veja nas fotos a turma do Junior 1, da professora Juliana.

0

0

0

0

0

0

0

0
Link para esta postagem

14

Mar

2007

Um pouco de poesia no ar...

Postado por

Tags:

Comentários: ( 0 )



0
Link para esta postagem

13

Mar

2007

CCBEU comemora o Dia Nacional da Poesia

Postado por

Tags:

Comentários: ( 0 )



O Dia Nacional da Poesia coincide com a comemoração do nascimento do grande escritor baiano Castro Alves.
Poeta do Romantismo, foi autor de belíssimas obras, como o “Navio Negreiro” e “Espumas Flutuantes”. Sua arte era movida pelo amor e pela luta por liberdade e justiça.

Leia abaixo a última parte do poema “Navio Negreiro”, de Castro Alves. Uma obra-prima com a marca do poeta: o tema da escravidão.

VI

Existe um povo que a bandeira empresta
Pra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa... chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança...
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!


Selecionamos um poeta e uma poetisa para comemorar o Dia Nacional da Poesia: Cora Coralina e Carlos Drummond de Andrade.

ASSIM EU VEJO A VIDA
Cora Coralina

A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.

POEMA DE SETE FACES
Carlos Drummond de Andrade

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás das mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.

Para ler um pouco de poesia em inglês:
www.languagearts.pppst.com/poetry.html














Imagens Ilustrativas
Olho (www.einsteinnanet.hpg.com.br)
Mundo (www.submundovirtual.blogger.com.br)
Link para esta postagem